A sala de fermat

Você gosta de filmes? E também de matemática? Então dê uma lida aqui!


O filme espanhol, A sala de Fermat, foi lançado em novembro de 2007. Uma resenha mais ou menos padrão, poderia ser assim (https://www.ime.unicamp.br/eventos/sala-fermat):


Quatro matemáticos que não se conhecem entre si são convidados por um anfitrião misterioso chamado Fermat para resolver um grande enigma. Por carta, cada um deles recebe um codinome. Hilbert, Pascal, Galois e Oliva são conduzidos para um celeiro em uma região afastada da Catalunha, dentro do qual uma sala confortavelmente preparada os espera. Depois de jantar, eles percebem que estão presos dentro da sala e começam a receber ligações com pequenos desafios que devem resolver em um minuto. A cada problema não resolvido, a sala onde eles estão começa a encolher, colocando suas vidas em risco.

Veja aqui o trailer (em espanhol).

E aqui, você pode assistir a opinião dos anfitriões de "Trasheira Violenta".

A seguir, tem minha humilde opinião, com muuuuito spoiler.


Embora não pareça, eu gostei muito de assistir o filme, achei ele muito interessante, mas tenho muitas críticas também. Fiquei realmente surpresa ao saber que o filme foi premiado no Festival de Cinema Fantástico FantasPorto de Portugal como melhor roteiro e o Méliès de Prata, em 2008, pois, na minha opinião, o roteiro do filme deixa muito a desejar. Os personagens tem uma construção bastante simplória. Aparentemente apenas dois deles praticam a matemática como profissão, tem também um inventor, um senhor idoso sobre o qual acabamos sabendo quase nada e .. tem uma mulher.

Sobre a mulher nunca chegamos a entender o que faz na vida, embora ela teve bastante tempo de fala no filme. Sabemos apenas que teve alguns amantes e que alguns deles se encontram também nessa sala. Estranho, né? Ela é a única que recebe um codinome que não é de uma matemática, se chama Oliva, em homenagem a Oliva Sabuco de Nantes Barrera, uma escritora espanhola que viveu nos séculos XV e XVI.


A outra personagem que não é um matemático é um inventor. O codinome dele é Pascal, em homenagem a Blaise Pascal que foi, entre outras coisas, um genial matemático e físico francês do século XVII. Ele aparenta sentir algum tipo de frustração em relação à matemática pura e insiste em realçar o valor das aplicações. No final do filme faz algo bastante polêmico que eu acho que nenhum matemático faria. Mas você precisa assistir o filme para saber se concorda comigo ou não.

Se você ficou curiosa ou curioso, além de assistir o filme, pode consultar uma resenha em espanhol, extremamente detalhada, aqui: https://web.archive.org/web/20091221200236/http://divulgamat.ehu.es/weborriak/Cultura/CineMate/MHC/HabitacionFermat.asp


Até a próxima!!

20 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

O kenken